Bolas de Pano


Bola (do lat. bulla)
Qualquer corpo esférico; globo, esfera, pelota, bexiga, balão. Objeto de forma esférica, feito de borracha, couro, plástico, etc..., que em geral salta por efeito de elasticidade e é usado em diversos esportes: bola de futebol, de tênis, de golfe, de pingue-pongue, de bilhar, de basquetebol, de voleibol, etc... .

Bolas
São objetos dinâmicos por si próprios, porque rolam, pulam e escapam. Quando usadas nas primeiras sessões terapêuticas, facilitam o envolvimento das crianças. São utilizadas na agressão, mas por ter forma e contato agradável, as crianças fazem-nas de objetos substitutivos, com os quais procuram contatos sensuais e afetivos. Maleáveis para as trocas à distância, de forma natural podemos trabalhar com: criação de gestos, imitação de gestos, força, intensidade, distância, o lançar, o agarrar, o quicar, o rítmo.
Na terapia, em relação individual, a bola pode facilitar também: introjeção de rítmos próprios, vivência de duração da bola no ar, velocidade, auto-conhecimento (quicada no chão), liberação de agressividade, raiva contida, relação de suavidade. Colocada sob a blusa (barriga de gravidez), a criança revela questões vinculadas à fantasia da cena primária, da origem dos bebês, da inveja da barriga da mãe.

Bolas de Pano
São leves, de tecido, em cores e estampas variadas, de diâmetro pequeno, médio e grande, e são preenchidas com bolas de borracha, de soprar. O barulho é suave quando batem no chão, na parede, nos objetos, conforme a distância, proporcionando a certeza do não machucar e do não quebrar, dando segurança e provocando audácia nas investidas dos indivíduos, que rapidamente evoluem, promovendo um dinâmico investimento no espaço. Além das atividades hedônicas, podemos pensar que as bolas de pano trabalham tanto a estrutura cognitiva quanto a emocional, não só pelo que já foi dito mas, também, porque suas variadas mutações implicam em:
- Cheia ............. maior direção e controle;
- Murcha .......... maior maleabilidade e aderência;
- Vazia ............. maior possibilidade de refazer tudo e qualquer parte.

O seu esvaziamento gera transformações que nos permite passar por experiências, que podemos por assim dizer, que nos remetem ao caminho da construção das Conservações, e, portanto, também ao da Reversibilidade, que são duas das aquisições cognitivas mais importantes do Período Operatório Concreto.
Por outro lado, enquanto uma bola que pode estourar, estaríamos contornando o caminho da irreversibilidade, experiência também fundamental para a estruturação do desenvolvimento afetivo. Sendo, portanto, estruturante na medida em que há uma capa de pano, funcionando como um envelope protetor em relação ao fim, sendo possível o reciclar, o começar de novo, de forma infinita.

Bibliografia:
- LAPIERRE, André - O Adulto Diante da Criança - Ed. Manole - 1987
- THIERS, Solange - Sociopsicomotricidade Ramain Thiers - Casa do Psicólogo - 2ª Ed.
- HOLLANDA, Aurélio Buarque de - Novo Dicionário da Língua Portuguesa - Ed. Nova Fronteira - 2ª Ed. - 1986
- LAROUSSE, Grande Enciclopédia - Nova Cultural - 1998
Elaborado por: MARÍLIA LAURENTINO DE SOUZA BETENCOURT Pedagoga - Psicopedagoga - Psicomotricista


Fabricação: Própria
Kit completo:
01 Bola de pano
10 bolas de borracha
01 texto sobre bola

Desenvolvido por: Personal Site